Por Mórris Litvak

Vivemos na Era da Informação e a economia está cada vez mais digital. A tecnologia está presente no nosso dia a dia de trabalho. Quem não conhece o básico de tecnologia, já é considerado analfabeto digital. E o fato é que todo esse processo de automação irá eliminar vários postos de trabalho. Pense, então vou ser substituído por um computador, uma máquina? Como vou sobreviver? Pagar minhas contas? 

O Ser Humano jamais será substituído, o convite é para ele migrar para novas possibilidades e novos desafios. Todos nós humanos sempre teremos como contribuir uns para com os outros, pois acima de tudo, somos humanos e seres relacionais, interdependentes e complementares.

Estes novos dias, são chamados por alguns como Mundo VUCA. O conceito de Mundo VUCA foi criado no começo da década de 1990, em um cenário mundial de polarização por conta da  Guerra Fria, acrônimo que significa Volatilidade, Incerteza, Complexidade, Ambiguidade. Este é o cenário presente e você e eu temos opções: parar e esperar ou ser protagonista de sua nova trajetória profissional. 

O convite é se requalificar e focar no aprendizado de novas ferramentas e metodologias, resistir não irá nos levar para lugar algum. E para aprender é necessário ter flexibilidade cognitiva, que significa habilidade de expandir ideias e sugerir novos processos, focando nos melhores resultados. Pensar novos formatos, observar e propor coisas novas, nada de ficar apegado(a) ao que sempre fez e deu certo! 

Se você parar e analisar sua trajetória profissional e sua vida pessoal, irá notar que muita coisa se transformou ao longo do tempo e quanto mais curioso por conhecer coisas novas, quanto mais trocar experiências e pontos de vista diferentes mais oportunidades surgem.

Como desenvolver essa competência?

  • Faça coisas de forma diferente (ex: utilize a mão que você tem menos habilidade para tomar um café, água, mude o trajeto habitual, percorra outras ruas);
  • Leia um livro com um tema diferente do habitual, busque ler assuntos novos;
  • Entre em contato com alguém e peça ajuda para resolver uma situação que te incomoda. Escute as opiniões de outras pessoas.

Pense: na última semana, o que você aprendeu? o quão relevante foi obter esse novo conhecimento?
Peter Drucker (escritor, professor e consultor, de origem austríaca)  dizia: “Se você quer algo novo, você precisa parar de fazer algo velho”.
Faça uma autoanálise. Quais são as minhas competências, os meus pontos fortes e o que preciso desenvolver?

Conheça algumas competências mais requisitadas para 2025, segundo artigo do Valor Econômico escrito por Barbara Bigarelli em 23/10/2020:

  • Pensamento analítico, 
  • Aprendizagem ativa, 
  • Capacidade de resolver problemas complexos, 
  • Pensamento crítico e criatividade.

Essas competências são fundamentais. Depois aparecem outras, como: Capacidade de liderar e influenciar, Monitorar e usar tecnologia no trabalho, Resiliência, Raciocínio voltado à resolução.

E essas competências precisam ser adquiridas e praticadas, já que o Mundo do Trabalho tem mudado rápido demais.

Hoje, mais importante que as competências técnicas, temos que estar preparadas para desenvolvermos as competências comportamentais, ou como são chamadas, as soft skills

Pessoas amadurecidas conseguem equilibrar melhor o tempo de ação e o tempo de observação e análise, além do mais podem contribuir com suas experiências de acertos e erros ao longo de sua trajetória e com isso, criam um ciclo virtuoso onde todos ganham. 

Seja criativo, seja flexível e busque aprender sempre!

Referência: 

Cecília Barboza, consultora Maturi, 2022 – Curso de empreendedorismo e mercado de trabalho para mulheres 45+ “Novos Começos com O Boticário”

Biografia:

Mórris Litvak: Fundador e CEO da Maturi, plataforma de recolocação e desenvolvimento profissional para pessoas 50+, empreendedor social, palestrante, formado e pós-graduado em Engenharia de Software pela FIAP de São Paulo.

× Olá!