Hoje, 15 de junho, é o Dia Mundial de Conscientização e Prevenção contra a Violência à Pessoa Idosa, uma questão que precisamos enfrentar como sociedade. Somente nos primeiros cinco meses de 2023, o Disque 100 recebeu mais de 47 mil denúncias, apontando cerca de 282 mil violações de direitos contra esse grupo social.

No ano anterior, os registros oficiais revelaram mais de 150 mil violações provenientes de mais de 30 mil denúncias. Esses números representam um aumento estatisticamente significativo de 57% nas denúncias e 87% nos registros de violações de direitos. 

Diante dessa realidade preocupante, a Rede Longevidade lança hoje uma iniciativa para fortalecer o engajamento com essa pauta:

? Essa é a cor que simboliza o junho violeta por isso estamos utilizando esse destaque para chamar a atenção das pessoas;

Sendo fiel ao nosso propósito de promover a educação em longevidade, produzimos um conteúdo explicando sobre as formas de violência, canais de denúncia, além de sites para aprofundamento, confira abaixo.

Faça parte dessa iniciativa! 


Tipos de violência contra a pessoa idosa

Conhecer os tipos de violência contra a pessoa idosa é muito importante. Assim, vítimas e outras pessoas conseguem identificar atos que ferem a dignidade e o direito humano.

Nesse ponto, podemos elencar 8 formas de violência contra a pessoa idosa:

1. Psicológica 

Ocorre quando alguém agride verbal ou gestualmente a pessoa idosa, com intenção de magoar, desmoralizar, desprezar, amedrontar ou discriminar. Pode levar à baixa autoestima, sofrimento mental, isolamento, solidão e quadros de depressão.

2. Física 

Ocorre quando há uso de força de forma intencional para obrigar a pessoa idosa a fazer algo que não queira ou ferir e provocar dor. Pode deixar marcas e lesões no corpo, além de comprometer a integridade física da pessoa idosa e causar a morte.

3. Sexual 

O abuso sexual ocorre quando a pessoa idosa é levada a ter relações sexuais ou práticas eróticas sem consentimento. O abusador faz uso de poder, força física, coerção, intimidação ou influência psicológica para violentar a pessoa idosa.

4. Financeira/Patrimonial 

Consiste na exploração imprópria, ilegal ou ao uso não permitido pela pessoa idosa de seus recursos financeiros e/ou patrimoniais.

5. Abandono 

Manifestado na ausência ou deserção dos responsáveis governamentais, institucionais ou familiares de prestarem socorro a uma pessoa idosa que necessite de proteção.

6. Negligência 

É um tipo de violência que ocorre quando a pessoa idosa é negligenciada (descuidada) por quem deveria cuidar dela. É a recusa ou omissão de familiares e instituições responsáveis em prover cuidados básicos aos 60+. 

A negligência é uma das formas de violência mais presentes no país. Ela se manifesta, frequentemente, associada a outros abusos que geram lesões e traumas físicos, emocionais e sociais. Em particular, as vítimas são pessoas idosas que se encontram em situação de múltipla dependência ou incapacidade.

7. Institucional 

Acontece quando os agentes públicos ou outros profissionais que deveriam zelar pelos direitos das pessoas idosas não o fazem de forma efetiva. Assim, age de forma discriminatória e preconceituosa.

8. Autonegligência 

Essa situação acontece quando a pessoa idosa não pratica autocuidado básico para manutenção da sua saúde. 


Quando a falta de autonomia se transforma em violência

Imagem da cartilha Quem nunca? Reflexões sobre o preconceito em razão da idade.

Autonomia é a capacidade de decisão do indivíduo na condução de sua vida. Isso nem sempre é respeitado quando se trata da pessoa idosa com capacidade cognitiva preservada. 

Em algumas situações, ela é tratada como alguém sem capacidade de reger sua vida. A tendência é que familiares e/ou cuidadores imponham a sua vontade e não respeitem os desejos, as decisões e as ações do idoso. Isso pode ser por superproteção ou imposição.  

Por exemplo, ao acompanhar a pessoa idosa à consulta médica, quem relata o motivo da consulta é o familiar ou cuidador, segundo seu ponto de vista. A pessoa idosa é privada de falar sobre sua vida, sintomas ou outras questões que considera importantes naquele momento. Pode acontecer também de o profissional se dirigir ao acompanhante e não à pessoa idosa ali presente. 

Desconsiderar a vontade e as decisões da pessoa idosa sobre qualquer aspecto de sua vida torna-se uma forma de violência.


Canais de denúncia

Vítimas e demais cidadãos contam com diversas formas de denunciar a violência contra a pessoa idosa.

Delegacias e Polícia Militar por meio do 190 para situações de risco iminente, o Ministério dos Direitos Humanos disponibiliza o Disque 100, serviço coordenado pela Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos (ONDH) gratuito, sigiloso e opera 24h por dia. 

Além de ligação gratuita, os serviços estão disponíveis por meio do site da Ouvidoria, aplicativo Direitos Humanos, Telegram (digitar na busca “Direitoshumanosbrasil”) e WhatsApp (61) 99611-0100). O canal também possui atendimento em Libras.


Mais leituras

A Central Judicial do Idoso (DF) elaborou uma cartilha sobre etarismo, mitos do envelhecimento e violência sofridas pela pessoa idosa. 

Quem nunca? Reflexões sobre o preconceito em razão da idade

A Prefeitura de Belo Horizonte desenvolveu um guia para orientar profissionais no atendimento à pessoa idosa vítima de violência.  

Guia de Atendimento à Pessoa Idosa em Situação de Violência

Acompanhe a cartilha da Polícia Civil de Minas Gerais.

Cartilha de enfrentamento da violência contra a pessoa idosa

MDHC lança campanha de conscientização e enfrentamento da violência sofrida por pessoas idosas

Continue a leitura! Acesse o Blog da Rede Longevidade.

× Olá!